31 março 2017

SANDMAN, de Neil Gaiman

SANDMAN Edição Definitiva - Panini (reimp. 2016)
Foto: Camila Simões / Arquivo pessoal
Falar de SANDMAN é delicado. Neil Gaiman consegue conduzir o leitor de Graphic Novels e Quadrinhos pelos caminhos do eu, através de introspecção, forte reflexão e choques constantes.

Para introduzir o leitor no universo de SANDMAN, é interessante saber um pouco sobre a origem e a reformulação pela qual a personagem passou no final da década de 1980. O encarregado do feito foi o escritor Neil Gaiman, à época com 28 anos, a convite da fundadora do selo Vertigo Karen Berger.

Os primeiros trabalhos de Gaiman ocorreram através do jornalismo anos antes, após isso livros e histórias em quadrinhos de sucesso foram lançados, um dos mais representativos da carreira de Neil Gaiman é SANDMAN. Ele já havia listado o trabalho de Simon e Kirby com a personagem como passível de revitalização - atividade comum da empresa DC Comics. Quando em 29 de novembro de 1988, Neil Gaiman publica a primeira história de sua versão de SANDMAN, também conhecido como Sonho, Morpheus, entre muitos outros nomes...

SANDMAN Edição Definitiva - PaniniReimpressão 2016 
Foto: Camila Simões / Arquivo pessoal
Na introdução do primeiro volume da edição definitiva de SANDMAN, lançada pela Panini no Brasil, o escritor e roteirista de quadrinhos Paul Levitz reflete sobre os limites entre o contar de histórias e a mitologia. Para ele, o mito começa quando a validade do que foi um dia uma verdade muda. A verdade de antes é substituída por uma mais plausível, mas afirma que “ainda nos deliciamos com as antigas histórias, cujo poder de explicar o universo diminuiu sob a investida implacável da ciência”.

"Mas ainda são contadas histórias para nos ajudar a lidar com o inimaginável; ainda são contadas histórias para nos ajudar a entender o mundo. Ao construir as suas, Neil construiu mitos, usando o mesmo poder que o contador diante do fogo conjurava há tanto tempo – o poder que Neil maneja tão bem." Paul Levitz

Foto: Camila Simões / Arquivo pessoal
A saga clássica de SANDMAN tem 75 histórias publicadas em 13 revistas ou arcos. A editora Globo foi uma das três editoras que publicou todos os arcos de SANDMAN no Brasil (de 1989 a 1998), além de edições especiais, seguida da Editora Conrad e Panini. Atualmente, a Panini tem os direitos autorais de SANDMAN no Brasil e publicou edições definitivas com todos os arcos em 4 volumes, de 2010 a 2013.

As histórias de SANDMAN são sobre vida e morte, sobre a relação humana com suas crenças. Com um plano de fundo recheado de fortes reflexões sobre as ações humanas, a mitologia dos Perpétuos é tecida. Eles estão lá desde sempre, desde o início de tudo. O Perpétuo Morpheus é Rei do Reino do Sonho, tudo que habita esta dimensão está registrado em uma biblioteca muito peculiar. A irmã de Morpheus é a Morte, os outros irmãos são criações incríveis de se conhecer, por fazerem tanto parte do eu humano quanto por serem elementos fundamentais da existência em si.

Representação da Morte
Foto: Camila Simões / Arquivo pessoal
Não pude falar de uma história e apenas, os Perpétuos constituem fortemente nosso imaginário e são apresentados em situações das mais diversas e inteligentes – do grotesco sanguinolento ao cômico, corrigindo: existe humor mórbido, nostálgico e reflexivo na construção das narrativas de Neil Gaiman.
Só há como amar e admirar a mente do autor.

Fontes: Site oficial DC ComicsGuia não oficial DC UniverseSite oficial de Neil GaimanSANDMAN Edição Definitiva Vol 1 (Panini) – Introdução.

Lembrando que você pode adquirir qualquer um desses livros ou outros por meio desse link da amazon: http://amzn.to/2kJJW4r e colaborar com uma pequena comissão para o blog.

Gostou da dica de leitura? Já leu o livro? Comenta aí embaixo e vamos conversar! 
 Não deixe de curtir a nossa página no FB e de se inscrever no nosso canal no youtube.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.