30 janeiro 2016

Considerações sobre Castelobruxo

A Escola de Magia e Bruxaria brasileira é a Castelobruxo e fica situada em meio a floresta amazônica. O edifício dourado, o que pode nos remeter mais as sociedades pré-colombianas, como os Maias, é referência em Herbologia e em Magizoologia e protegida por caiporas.

A escolha do lugar não é algo tão extraordinário como muitos parecem supor ou menos uma vitória de uma região em detrimento de outras (com se fosse ma revanche em relação ao preconceito existente entre as regiões no Brasil). A região Norte fica muito distante de grandes centros urbanos e possui a floresta como um elemento natural que por si só já garante uma proteção à Castelobruxo, e discrição é algo essencial à comunidade bruxa.

A escolha também da região nos mostra a busca por uma ancestralidade que ainda se faz presente na cultura do local, um lugar que embora colonizado ainda traz traços muito marcantes de sua filiação pré-colonial. A região Sul apresenta grande fluxo de imigrantes e de cultura européia, a região Sudeste concentra os maiores centros urbanos, a região nordeste forte presença dos colonizadores portugueses e da cultura afro e a região Centro-Oeste, que parece-me ser de desconhecimento de quem fora do Brasil mora, mas que também poderia ser uma ótima escolha, por conta do cerrado, das chapadas ou mesmo do pantanal. No entanto, a maior referência do Brasil é sua floresta, ainda mais em um momento em que a crise ambiental é real. Logo, torna a região Norte mais uma escolha bastante óbvia (pelo pra mim).

Florestas e indígenas, com seus Pagés, pagelanças, curas e rituais somam ao que geograficamente se espera de um lugar que abrigue uma escola de bruxaria, nos parâmetros propostos por J. K. no universo de Harry Potter. Lembremos que a provável localização de Hogwarts é em região céltica, bem distante de Londres.
Já nas escolha do que a Escola é referência, nada mais óbvio. A região tem uma expressiva diversidade em fauna e flora, logo nada mais claro que ser suas principais atividades voltadas para a Herbologia e a Magizoologia.

Em tudo isso, o que mais me surpreendeu foi a escolha dos protetores da Escola, as Caiporas. Essas criaturas são muito menos conhecidas que seus "irmãos" curupiras. Aliás, em um projeto que buscava registrar narrativas orais na amazônia paraense, o IFNOPAP da Universidade Federal do Pará, a referência à caiporas é nula ou quase inexistente, o que não podemos dizer do curupira, que tem ampla divulgação como personagem folclórica na literatura.

No entanto, embora seja muito legal os olhares de J. K. terem se voltado para o Brasil, ainda penso que o projeto de Renata Ventura, com a sua saga A arma escarlate, seja muito mais interessante, ao propor uma escola por região, o que possibilita uma diversidade e pluralidade ainda maior na comunidade bruxa, ainda mais quando levamos em consideração que o Brasil, país de tamanho continental, poderia muito pouco com apenas uma única Escola, como os Britânicos.

Por falar em tamanho, também não considero tão legal assim termos uma única escola para toda a América Latina. Primeiro que isso dá uma ideia de unidade não existente, nem no que tange a língua e nem no que se refere à cultura. Fomos colocados tods em um saco só. Ora, imagine que se no Brasil já há tanta diversidade que daria pra criar uma escola por região, imagina as diferenças existentes entre todos os países de um continente? Perde-se muito de elementos culturais. Mesmo quando falamos em Amazônia podemos ter concepções e conformações diferenciadas dela, já que ela também é plural.

Aliás, a gente não tem uma escola só pra todo o continente europeu, né?

Por fim, eu acredito sim, que, uma escola ou quantas forem necessárias por país seria a melhor postura a ser adotada e que entre elas fosse estabelecido um programa de intercâmbio, como pensou Renata Ventura, mas não sô entre alunos, mas com professores também, possibilitando não só a manutenção das culturas locais como promovendo práticas interculturais.

Gostou da postagem? Não? Deixe um comentário! Aproveite pra curtir a nossa página no FB e se inscrever no nosso canal do youtube.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.