17 junho 2015

O dia em que dei spoiler de Mme. Bovary

Aviso: Se você nunca leu o livro e não sabe nada dele e pretende lê-lo, essa postagem não é pra você. Sorry. Mas se quiser ler, sinta-se a vontade. Mas saiba que é por sua conta e risco.

Certa vez, eu passei por uma situação muito engraçada.

Disseram que eu havia dado spoiler de Mme. Bovary, a célebre obra de Gustave Flaubert, publicado na França em 1857 e que levou inclusive seu autor aos tribunais, onde proferiu a famosa frase: Madame Bovary c’est moi!

A obra, marco do realismo e clássico da literatura francesa e universal, como também precursor dessa estética literária (o realismo), foi publicada há mais de 150 anos, é trabalhada nas escolas (pelo menos deveria) e virou filme pelo menos umas duas vezes ainda pode receber spoilers.

Fonte da imagem: Google


Entendendo melhor o que aconteceu.

Comentei no facebook que considerava as partes mais legais do romance o momento em que Emma junto de seu amante dão voltas e mais voltas por Paris, em uma caleche, assim como a parte em que Emma invade a botica da cidade e rouba arsênico em pó, ingerindo assim mesmo e depois convulsionando até a morte em uma cama.

Não fiz o comentário com essa riqueza de detalhes, muito por preguiça e porque eu queria me ater aos fatos da morte de Emma e as voltas por Paris.

Então veio a “acusação” de ter feito spoiler, já que ali havia pessoas que estavam iniciando a leitura.

Mas o que é spoiler?

Pra mim, (eu disse PRA MIM), spoiler é uma informação detalhada sobre algo que acontece no desenrolar da história ou no filme, como o que eu acabei de fazer, mais ou menos, ali em cima. Ou seja, dizer que a personagem morre é apenas um fato que acontece, mas não explica os acontecimentos que envolvem a morte. Essa informação não dá conta de responder perguntas como: Por que morreu?, Como morreu?, Quem matou?, O que a morte traz pro desenrolar da história?...

Tais respostas, sim, fazem um sentido maior para o enredo, pois vão além do fato, estão intimamente ligadas ao narrativo. Um exemplo claro disso é que, se alguém chega pra você e diz: Fulana ficou com Cicrano, você logo começa a perguntar o como, quando e por quê.

Isso se deve justamente ao fato de que saber que ela ficou com ele não é importante o suficiente para dar conta de todo o contexto narrativo.

Pra finalizar, a situação toda mais me fez rir porque o dito spoiler foi feito sobre uma obra de conhecimento geral, com 158 anos de publicada e com inúmeras informações disponíveis pela internet e em outros livros. Se fosse do último livro da série de Guerra dos Tronos, vá lá... Mas de um clássico da literatura centenário, tenho as minhas dúvidas.


Ah, antes que eu me esqueça, o Gregor Samsa vira um inseto numa bela manhã... rs

2 comentários:

  1. Bom dia Daniel, como vai? Cheguei aqui por acaso, atrás de assuntos relacionados a Gourmet e descobri uma postagem sobre o livro "A morte do Gourmet" o qual eu não conhecia. Gostei muito. Coloquei por lá, o link para seu blog. Caso não goste, peço a gentileza de me informar que eu retiro.

    Um abraço, Patrícia

    (http://pitacosdepa.blogspot.com.br/2015/06/gourmet-e-prazer.html) Postagem a qual citei seu blog.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Patricia. Tá tudo bem sim, espero que com você também. Fico feliz que tenha gostado da postagem sobre "A morte do Gourmet", e não há problema algum em citá-lo. Obrigado por avisar. Vou até divulgar isso. rs. Abraço.

    ResponderExcluir

Ronrone à vontade.