07 maio 2015

Une nouvelle amie (uma nova amiga), de François Ozon

O que fazer quando se perde sua melhor amiga de infância em plena juventude, recém casada e mãe de uma linda bebê chamada Lucie? Como lidar com a descoberta de segredos íntimos do marido da amiga falecida? Que caminho tomar, quando os desejos rompem com o que acreditamos ser normal, rompem com o que fomos ensinados a pensar que é normal?

No longa-metragem Une nouvelle amie (Uma nova amiga, em tradução livre, já que o título, ao que parece, ainda não ganhou tradução para o Brasil), lançado ano passado (2014) dirigido por François Ozon, Claire (Anaïs Demoustier) ao perder sua melhor amiga Laura (Isild Le Besco) promete cuidar do esposo da amiga, David (Romain Duris) e da filha deles, Lucie, que ainda é um bebê, no seu discurso de despedida feito durante o velório.

A ausência de Laura imobiliza a vida de Claire que, durante um tempo, não consegue nem cumprir a promessa feita no funeral. Com o incentivo do marido Gilles (Raphaël Personnaz), no entanto, ela se decide por sair de casa e acaba fazendo uma visita a David e Lucie.

É quando ela descobre que David gosta de se vestir como mulher. A princípio ele diz que fez isso como meio de conseguir lidar com a pequena Lucie, que desde a morte da mãe encontrava dificuldades para se manter calma e se alimentar direito. Ele em nenhum momento nega que gosta de vestir-se com roupas usadas por mulheres, além de afirmar que Laura tinha pleno conhecimento desses gostos do marido.

Claire fica transtornada, acha que aquilo não é normal e que uma vida como essa não pode ser levada a sério, mas, à medida que vai convivendo com David travestido, que logo se torna Virginia, ela vai percebendo a normalidade das coisas. Ainda assim, ela esconde do marido Gilles, essa nova amiga.
Entretanto, não é só a condição de David que lança confusão a vida de Claire, mas os sentimentos que ela começa a nutrir por Virginia. Embora David se vista como mulher e acredite ser uma, em nenhum momento ele diz gostar de homens. Ele é consciente de que seu desejo é direcionado às mulheres. Tão pouco parece querer fazer uma cirurgia de redesignação de sexo.

Há uma cena muito engraçada, na qual David, após se desmontar as pressas pra encontrar a sogra, acaba se comportando com o que chamaríamos de trejeitos femininos, no modo de cruzar as pernas ou manter as mãos, durante uma conversa. Ainda que seja um tanto cômico, também é constrangedor e revela a dificuldade em se tentar esconder o que se é.

O desejo crescente entre Virgínia e Claire atinge o limite suportável da distância, mas, no momento em que poderíamos vislumbrar uma consumação, nos deparamos com os resquícios de ideias pré-formadas na cabeça de Claire, que não leva a situação a diante por Virginia ser um homem e ela desejar uma mulher.

Vislumbra-se aqui ainda a ideia de que ser homem e ser mulher está atrelado à condição do sexo biológico e não a uma questão de identidade de gênero, que ultrapassa essas fronteiras corporais.

Só quando Claire compreende e aceita Virginia, depois de um acidente horrível em que a situação de David enquanto travesti é revelada para todos em volta, é que o amor e o desejo que uma sente pela outra pode ser, enfim, vivenciado.

Ozon consegue realizar o filme com as doses certas de drama, sensibilidade e mesmo humor.

Roman Duris vivendo o papel de Virginia também está espetacular. Ele consegue dar vida a uma personagem que não cai na caricatura, que tem as suas dores, mas que vivencia plenamente a sua felicidade no simples ato de sair vestida como mulher e fazer compras no shopping, revelando algo que, embora para muitos possa parecer ser fútil, representa para ela a vivência plena de sua feminilidade, do seu ser.

Trailer:


Informações sobre o Filme:




Título do Filme: Une nouvelle amie
Gênero: Drama
Diretor: François Ozon
Duração: 108 minutos
Ano de Lançamento: 2014
País de Origem: França
IMDB: http://www.imdb.com/title/tt3184934/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.