16 janeiro 2013

O mar

Museo do Mar de Galicia. Foto de: Toxo Galego


O mar jamais parou desde que Deus inventou o tempo, há todos os anos do mundo, Deus inventou o mundo ao mesmo tempo que o tempo, o mundo não existia antes do tempo, o mar não se cansa nunca, o tempo não se cansa nunca, nem tampouco o mundo, que cada dia fica mais velho mas também não se cansa nunca, o mar engole um navio ou uma centena de navios, leva um marinheiro ou uma centena de marinheiros e continua a murmurar com sua voz afônica, com sua voz de bêbado triste e rixento, amargo e valentão.

- O mar sempre o deixa assustado?
- Não; a mim, não, já estou acostumado com ele.

CELA, Camilo José. Madeira de lei. tradução de Mario Pontes. - Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001. p.10-1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.