21 janeiro 2013

Morte Súbita – um romance adulto onde os jovens se destacam

Morte Súbita, J. K. Rowling
Fonte da imagem: Aliança 3 vassouras

Morte Súbita, primeiro livro de J. K. Rowling pós-fenômeno Harry Potter, também, é a primeira incursão da autora na produção de ficção para adultos.

Tudo começa com a morte repentina de Barry Fairbrohter, presidente do Conselho Distrital de Pagford, ocasionando assim uma vacância que será disputada avidamente pelos dois grupos antagônicos do Distrito: Os Pró-Fields, que eram liderados pelo então presidente Fairbrother, e os Contra Fields, capitaneados por Howard Mollison, outro membro do Conselho.

De modo sucinto, os pró-Fields defendem a permanência de Fields como território pertencente a Pagford, pois considera que isso é benéfico para as pessoas que lá residem, enquanto que os que são contra a permanência o fazem com um sentimento de ojeriza proveniente as classes mais pobres, que sobrevivem as custas dos planos governamentais de ajuda, afirmando que eles degradam, enfeiam e corrompem o Distrito.

E assim, em torno de intrigas, falcatruas, segredos e muita hipocrisia, vamos adentrando na comunidade pagfordiana, que embora de aparência pacata e harmoniosa, esconde toda a tensão desencadeada pela morte de Fairbrother, que com o seu jeito “encantador” era, de certo modo, quem mantinha tudo em ordem.

E, embora, o livro trate de questões sociais e da vida política da cidade, Morte Súbita parece ser desenvolvida também em outro plano, que demonstra ser tão bem ou mesmo melhor construído que o núcleo adulto, que é o núcleo jovem.

Entretanto, não deve-se considerar que esses dois núcleos se opõem, muito pelo contrário, são tão interligados que, um acaba cor explicar e justificar o outro, ainda mais se levarmos em consideração que, a briga política que se desenvolve na trama causa interferência direta nos adolescentes, pois o que vier a ser definido e mesmo no decorrer de sua definição, vai criando os caminhos por onde esses jovens trilharão, e não de modo passivo, já que eles também interferem, direta ou indiretamente nas eleições a vaga criada com a morte de Barry.

Ainda assim, com todo esse imbrincamento entre esses dois núcleos, considero que as personagens adolescentes absorvem o melhor da escrita de Rowling, principalmente na relação estabelecida entre esses jovens e, considerando-os isoladamente, nas personagens Krystal Weedon e Sukhvinder.

Krystal revela uma força e uma altivez acabrunhante e ameaçadora alimentada pelas dificuldades e o ambiente em que vive desde pequena, mas que no fundo é o caminho que ela encontrou para se proteger do mundo hostil que a rodeia.

Sukhvinder é o extremo oposto, embora tenha o conforto e regalias que Krystal não tem acesso, ela sofre bullying e da falta de afeto dos pais, caindo assim numa falta de confiança em si mesma, que vai lhe tragando para as regiões mais negras da sua psique, fazendo mesmo com que ela se auto-flagele com a intenção de que a dor física sobrepuje a dor “mental” que a atormenta. É, talvez, a personagem menos odiosa do romance, porque todos são odiosos.

Fonte da imagem: Pizza de ontem
J. K. consegue alcançar o objetivo de criar um panorama aprofundado de uma cidade pequena e seus residentes e preconceitos e relações que eles alimentam, sejam eles  o que forem, no entanto, peca em um único detalhe, que causa certa dificuldade na leitura, que é alternar constantemente no início entre as personagens, fazendo com que nos atrapalhemos até pelo menos a terceira parte com quem é quem, na trama.

Já no que se refere a tradução brasileira, há algumas coisas estranhas, e que tornam ainda mais pelo fato de tantas pessoas estarem envolvidas com a preparação de revisão, que é ter uns poucos trechos traduzidos literalmente, o que nos dá a impressão de um vendedor de telemarketing ter escrevido da maneira que fala, que seria mais ou menos assim: “eu vou estar providenciando” ou “eu vou poder estar verificando”.

No mais, a obra é cíclica. Começa com a morte de Fairbrother, que desestrutura toda a “aparente” ordem estabelecida e que possibilita o escancaramento dos os podres da comunidade, e termina com a morte dos jovens Weedon, que ocasiona quase que um movimento catártico em muitos personagens da história, criando assim novas relações e organizações.

Fonte da imagem:Um livro por dia






Morte Súbita
Autora: J. K. Rowling
Editora: Nova Fronteira
Páginas: 512p.
R$ 49,90

Um comentário:

  1. o que tenho ouvido desse livro é exatamente sobre o fato de ter muitos personagens e o leitor acabar se perdendo.

    acho que a autora quis mostrar um outro lado e deve ter exagerado propositalmente, com o fato de elaborar os conflitos sociais mto mais do que nos infanto-juvenis anteriores

    ResponderExcluir

Ronrone à vontade.