03 janeiro 2013

Barbolândia – A fuga do herdeiro

Por Daniel Prestes

Barbolândia é um país situado em uma pequena ilha do mar do Caribe, 23◦ Norte, 66◦ Oeste, Trópico de Câncer. Mas essa não é uma ilha comum. Além das paisagens paradisíacas do Caribe, nela também existem altas montanhas que nevam! Só quem pode morar nesse país são as pessoas convidadas pela sua proprietária, a Disnastia Day. (Orelha de capa, Barbolândia: A fuga do Herdeiro, vol. 1)

Capa do livro "Barbolândia: A Fuga do Herdeiro".
Barbolândia: A fuga do Herdeiro, do jovem escritor paraense Bruno Melo, premiado com o selo “Imagina só!” pelo primeiro lugar no Prêmio Secult de Literatura Infanto-juvenil de 2009, com a obra Os Cinco Amigos e o Segredo da Coisa, é sobre como Barbolândia foi descoberta pela família Day.

Tudo começa quando Ryan, herdeiro da Dinastia Day, resolve fugir de casa, a fim de evitar o seu futuro a frente de todas as responsabilidades que o seu sobrenome carrega, que incluem jantares, reuniões e muitos encontros em que o principal é evidenciar a grandeza e conseguir mais dinheiro, para o clã.

Assim, após um desses tediosos jantares, Ryan foge de casa e, em meio a sua fuga depara-se com piratas, gângsteres e, inclusive um mordomo delator, até que, depois de passar por um tremendo apuro, é resgatado por seu pai em uma ilha que virá a ser Barbolândia, um empreendimento financeiro da Dinastia Day.

“A fuga do herdeiro” é um livro de leitura fácil e cativante, com destaque aos trechos em que as personagens piratas Lagartixa e Chinesinho, liderados pelo Capitão Barba, aparecem. São  personagens bem contextualizados com o seu ambiente e que possuem uma leveza de humor muito aprazível. Já no que concernem às partes em que sentimentos mais sombrios como o medo, poderiam ter sido mais bem explorados, o que não tira o mérito da construção da narrativa, que tem grandes sacadas, como, por exemplo, o episódio em Leopoldo nos é mostrado inícios de intrigas. Esse capítulo dá a impressão de estar solto a princípio, mas, depois surpreende por fazer um todo, com os acontecimentos que seguem.

O livro apresenta alguns problemas textuais e de adequação de linguagem, mas que não causam grandes problemas a leitura, e podem facilmente ser resolvidos em futuras edições e que podem ser evitados nos futuros volumes da série com uma boa revisão.

Sobre o trabalho de editoração de “A fuga”, ele é muito bem feito e vai muito além da diagramação do texto, passa também pelas escolhas das belas imagens, de Rhodrigo Maia, que o ilustra e que dá uma boa imagem das personagens, colaborando ainda mais para o processo imaginativo das situações em que elas encontram-se inseridas.

Em uma avaliação geral, “A fuga” é uma pedida interessante de leitura, por sua leveza narrativa.

O primeiro capítulo do livro pode ser lido aqui.





Barbolândia: A Fuga do Herdeiro
78 páginas
Editora BarboHouse
Autor: Bruno Melo
R$ 25, 00
(Disponível pra compra no site da Editora)



Um comentário:

  1. Primeiramente gostaria de dizer que o autor é mto merecedor do selo "Imagina Só", uma vez que pensou na possibilidade de "alguéns" ser dono de um país e só quem pode morar nele são as pessoas convidadas; eu adorei, de verdade, quero ser dona de um país tbm, não, de uma cidade tá bom..rsrsrs. No mais, o enredo é interessantíssimo, fiquei com vontade de ler.

    ResponderExcluir

Ronrone à vontade.