02 agosto 2012

Dilema

#507
Foto de Pobudka

O que muito me confunde
é que no fundo de mim estou eu
e no fundo de mim estou eu.
No fundo
sei que não sou sem fim
e sou feito de um mundo imenso
imerso num universo
que não é feito de mim.
Mas mesmo isso é controverso
se nos versos de um poema
perverso sai o reverso.
Disperso num tal dilema
o certo é reconhecer:
no fundo de mim
sou sem fundo.



CICERO, Antonio. Guardar. Rio de Janeiro: Record, 1996. p. 37.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.