08 setembro 2011

Onda

Antonio Cícero 

Conheci-o no Arpoador,
garoto versátil, gostoso,
ladrão, desencaminhador
de sonhos, ninfas e rapsodos. 

Contou-me feitos e mentiras
indeslindáveis por demais: 
eu todo ouvidos, tatos, vistas,
e pedras, sóis, desejos, mares.

E nos chamamos de bacanas 
e prometemo-nos a vida: 
Comprei-lhe um picolé de manga

e deu-me ele um beijo de língua
e mergulhei ali à flor 
da onda, bêbedo de amor. 



De: GUARDAR, Rio de Janeiro, Record, 1996.

Um comentário:

  1. ola. tudo blz? estive aqui dando uma espiada. legal. apareça por la. abraços.

    ResponderExcluir

Ronrone à vontade.