18 abril 2010

Giovanni

"[15] Acordei enquanto Joey continuava dormindo, enroscado como um bebê, deitado de lado e virado para mim. Parecia um bebê, a boca entreaberta, as faces coradas, o cabelo encaracolado escurecendo o travesseiro e ocultando parte de sua fronte redonda e suada, e as pestanas compridas brilhando de leve ao sol de verão. Estavamos ambos despidos e o lençol que usamos como coberta encontrava-se amarfanhado aos pés da cama. O corpo de Joey era moreno, estava suado, mostrava-se a mais bela criatura que eu vira até então. Eu queria tocá-lo para que acordasse, mas alguma coisa me impediu. Assaltou-me repentino medo, talvez porque ele parecesse tão inocente deitado ali, em tão perfeita confiança e abandono; talvez fosse porque ele era bem menor do que eu [...]. [16] E veio dentro de mim a compreensão: 'Mas Joey é um menino!' Percebia repentinamente o vigor de suas coxas, de seus braços, de seus punhos flexionados e soltos."

BALDWIN, J. Giovanni.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.