16 dezembro 2009

Cartas de amor

As cartas de amor
deveriam ser fechadas
com a língua.
Beijadas antes de ser enviadas.
Sopradas, respiradas.
O esforço do pulmão
capturado pelo envelope,
a letra tremendo
como uma pálpebra.
Não a coisa isenta, neutra,
mas a espuma, a gentileza,
a gripe, o contágio.
Porque a saliva
acalma o machucado.

As cartas de amor
deveriam ser abertas
com os dentes.

Carpinejar

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.