30 março 2009

The Party (part one)

Cheguei por volta das onze horas da noite, as luzes estavam acesas e havia muito barulho, de música e risadas – as coisas estavam animadas ao que parecia. Toquei a campainha. Ele veio atender a porta e como estava conversando com Carla não se apercebeu de que era eu quem estava no portal, porém isso não durou muito tempo.

- Louis, não acredito! – disse-me ele com aquela cara de incredulidade e logo se jogou em cima de mim, em um abraço forte e demorado.
- Estás me amarrotando, Dan.
- Ah, sim... Desculpe-me. Venha, entre. E... Quem é este? – indagou dirigindo-se ao rapaz que estava atrás de mim.
- C’est Leon.
- Louis!

Encaminhamos-nos para a cozinha para pegarmos algo para bebermos. Sentei-me no balcão e logo o Dan chegou com duas taças de vinho, puxei-o para o meio das minhas pernas, o abracei e ao pé do seu ouvido disse que estava com o presente dele.

Entreguei-lhe a caixinha, que me foi recebida com um ‘Sabes que não havia necessidade disso’, e já foi se virando, ficando de costas para mim, entretanto, ainda entre as minhas pernas. Abracei-o por trás e ajudei a abrir.

- Teu brasão, que lindo Louis! Muito obrigado!
- Veja o que tem escrito atrás.
- 'Serás sempre meu', que bobo isso! Nem sou propriedade tua!
- É sim! Mas agora venha a cá que tenho mais uma surpresinha para ti, e feche os olhos.
- Não vou fechar.
- Feche, que eu estou mandando!
- Eu não. Não confio nem um pouquinho em ti.
- Ah, vai é rapidinho Dan, feche os olhos sim?!

Quando ele fechou os olhos eu me aproximei dele e beijei-o. Não foi um beijo de língua daqueles de filmes, embora também não tenha sido apenas um selinho.

- Cretin!

Rimos.

- Recebestes a minha última carta? A que eu pedia para voltares?
- Sim, e penso que nem preciso comentar que não apreciei nadinha do que me dissestes nela, não é?!
- Não precisas, entretando meu querido, é aquilo o que eu penso de verdade...
- Dan, hoje é teu aniversário e não estou a fim de discutir isto contigo, que tal conversarmos outra hora, sim?!
- Bien sûr.

Voltamos à festa, e do nada ele me diz que a pessoa que eu tanto procurava na festa estava no andar de cima em seu quarto, posto que não se sentia muito bem e que se eu quisesse poderia ir lá. Não lhe disse nada apenas me dirigi às escadas...

Abri a porta e fiquei parado no portal com a luz do corredor por trás de mim, ele estava a vasculhar umas gavetas e quando viu que havia alguém ali parado a porta levou um susto enorme. Mais branco ficou quando viu que, quem estava lá era eu.

2 comentários:

  1. Louis é bem dominador... nem deixou alternativas pro Dan...
    Quero saber mais detalhes... inclusive a tal carta de volta.
    Bjim

    ResponderExcluir
  2. hahahah, a gnt super conversando, ia já dar atenção à campainha...rsrsrsr

    adorei este reencontro!!

    Bjos, bom fds.

    ResponderExcluir

Ronrone à vontade.