08 fevereiro 2009

Como eu fui morar com o rei

Sim ele riu, riu muito depois de ter me dito aquilo, e eu bobo como sempre me encolhi de vergonha, afinal havia caído na armadilha dele, tinha tido um surto de ciúmes.

Naquela noite, ficamos pelo apartamento. Jantamos frios com vinho, nus, no tapete felpudo da sala, recostados um no outro. Enquanto comíamos, Louis disse que amanhã mesmo buscaria as minhas coisas, que agora que eu era namorado DELE, não podia ficar andando sozinho por aí, que ele não podia dar condições alguma de alguém tentar tomar-me dele.

Fiquei atônito com tudo isso, de namorado passei a ser propriedade, tentei argumentar de alguma forma, todavia ele foi irredutível, disse que ou era do jeito dele ou então poderia ir embora naquele momento mesmo e não voltar mais.

Claro que eu acatei as resoluções dele, como não acataria depois de todo aquele dramalhão, no qual eu havia sido a personagem principal? E ele sabia disso, sabia que eu faria tudo o que ele dissesse pra eu fazer, se isso envolvesse em não perdê-lo.

postado originalmente em: danpotski

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.