28 fevereiro 2009

antes de Hans

Estávamos terminando de arrumar as coisas de Hans no, agora, nosso lar. Estava eu na cozinha a preparar algo para comermos, quando ele me chamou para ir até a sala com ele.

Cheguei abraçando-o por trás e me perdi no cheiro adocicado de seus cabelos macios até perceber que ele queria me mostrar as nossas fotos que estavam dispostas no console da sala, dispostas uma ao lado da outra.

Ele me perguntou após ter me mostrado o que tinha feito do porque não haver fotos minhas pela casa, de meus pais ou de amigos, antes de responder-lhe pedi que senta-se no nosso querido tapete enquanto ia buscar o que havia preparado e que lhe contaria os motivos durante a refeição.

***

-Eu não cheguei a conhecer meus pais, me criei entre becos, cafés e livrarias, praticamente, vivia a fugir do orfanato onde me hospedava, por assim dizer. Depois de uns anos consegui um emprego de guia turístico, se não me engano por volta dos 16 anos, nesta época conheci muitas pessoas interessantes, se é que me entendes. Foi uma época muito singular, e por causa dela que conheci Eugénie, quem eu poderia chamar de primeiro amor, embora perceba hoje que foi mais um fascínio do que amor de fato.

Eugénie tinha 25 anos quando nos conhecemos; ele um empresário, de olhos e cabelos negros como a noite, de tez branca como porcelana, muito inteligente e de um humor assaz envolvente. Iniciamos um namoro que durou, por volta de 2 anos, viajamos muito neste período, devido ao trabalho dele. Assim, conheci muitos lugares, e aprendi algumas línguas e hábitos e costumes.

Com mais ou menos 2 anos de relacionamento descobri que ele mantinha um caso com outro executivo que sempre ia com a gente, e que prestava serviços de assessoramento jurídico para a empresa de Eugénie. terminei com ele, e contra minha vontade recebi uma doação de 30% em ações das empresas de Eugénie, sendo daí que eu tiro o meu sustento atualmente, por isso que não trabalho Hans querido, e posso te dar toda atenção que exiges, por isso pare de fazer bico e deixe-me continuar a contar as coisas que querias saber, sim?!

Resolvi me mudar para Belém do Pará, depois da separação, foi quando eu conheci o Daniel, ou Danpotski. Um menino intrigante, há que se dizer, tentou me conquistar de todas as formas possíveis, sempre amável e gentil, mal sabia ele que não havia necessidade de todo aquele jogo pra me manter ao lado dele, já estava entregue aquela amizade. Acabei indo morar um tempo com ele, durante a minha procura por um lugar meu, este apartamento, que agora é nosso, mon petit choux.

Durante o período em que procurava um apartamento para mim, nos conhecemos e, me apaixonei por ti, e aqui estamos nós, nosso lar com um monte de fotos nossas espalhadas pela casa.

postado originalmente em: danpotski

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ronrone à vontade.